Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1479
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Análise da vulnerabilidade do Parque Estadual Sumaúma, AM à ação antrópica
metadata.dc.creator: Davi Grijó Cavalcante
metadata.dc.contributor.advisor1: Eduardo da Silva Pinheiro
metadata.dc.description.resumo: O Parque Estadual Sumaúma possui uma característica peculiar, uma vez que representa a única unidade de conservação estadual estabelecida na zona urbana de Manaus, com uma área de 51ha e está localizado no bairro Cidade Nova. Os fragmentos florestais em áreas urbanas configuram-se como ilhas dentro de cidades, apresentam microclimas amenos, maior teor de umidade e menores índices de poluição do ar e sonora graças ao filtro biológico que se articula de maneira sistêmica. Em paisagens modificadas deve-se tomar o cuidado em reduzir os processos que levem a expansão das bordas, podendo ser criada uma zona de proteção no entorno. A comunidade circunvizinha a um fragmento deve ter um grau de subsistência sustentável e perceba os benefícios concretos da preservação da biodiversidade. Considerando que o Parque representa um fragmento florestal em uma das áreas com maior densidade populacional de Manaus, este projeto de pesquisa possui o enfoque estreitamente ligado ao conceito de geossistemas, se propõe a gerar informações (base para a gestão) no que se refere à vulnerabilidade desta unidade de conservação. O objetivo geral da pesquisa é propor uma metodologia que envolva a aplicação de técnicas de suporte à decisão na geração de um mapa de vulnerabilidade do Parque às ações antrópicas, podendo servir como subsídio ao monitoramento e gestão dos ecossistemas da unidade de conservação. Pretende-se mapear o uso da terra em uma área de 300m do entorno do Parque, mapear suas trilhas e estradas internas, analisar o relevo e mapear as áreas de preservação permanente. No estudo e compartimentação do relevo do Parque Sumaúma serão utilizadas técnicas de geoprocessamento para analisar imagens dos satélites QuickBird e LANDSAT, dados de elevação e declividade, hidrografia, além de serem feitas verificações em campo. Para estabelecer os locais com diferentes níveis de vulnerabilidade serão avaliados os aspectos legais e conceituais do uso e cobertura da terra, proximidade da ocupação urbana, trilhas e formas de relevo. Como suporte à decisão de quais áreas apresentam vulnerabilidade será utilizada a técnica do Processo Analítico Hierárquico, implementada no software SPRING. Para identificar e mapear as áreas de preservação permanente (APP) inseridas na área de estudo serão utilizados os critérios descritos no Novo Código Florestal Federal lei n° 4.771 de 15/09/1965 e Resolução CONAMA 303 de 20/03/2002. Para definir as APP serão empregados mapas de hidrografia e declividade. No mapa de hidrografia serão demarcadas as distâncias de 30m a partir da margem do curso d água e 50m a partir das nascentes. No mapa de declividade serão obtidas as áreas com declividade igual ou superior a 45°. Uma última análise será realizada através do cálculo das áreas de preservação permanente em relação às áreas de vulnerabilidade à ação antrópica, efetuando-se para isto uma Tabulação Cruzada entre ambos os planos de informações.
Abstract: 
Keywords: Unidade de conservação, fragmento florestal, vulnerabilidade
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências Exatas e da Terra: Geografia Fisica
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Geografia
Instituto de Ciências Humanas e Letras
metadata.dc.publisher.program: Programa PIBIC 2008
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1479
Issue Date: 31-Jul-2009
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.