Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1851
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Gabriel Arcanjo Santos Albuquerque-
dc.creatorEmerson Figueiredo dos Santos-
dc.date.accessioned2016-09-23T15:08:54Z-
dc.date.available2016-09-23T15:08:54Z-
dc.date.issued2010-07-28-
dc.identifier.urihttp://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1851-
dc.description.resumoEntende-se por fortuna crítica o bom ou mal acolhimento dado a uma obra pela crítica especializada. Para que esse acolhimento possa ser visto no seu conjunto, faz-se necessário verificar o que foi dito sobre determinado autor e sua obra ao longo do tempo. O presente projeto de pesquisa está necessariamente atado à aceitação da obra do escritor Milton Hatoum (o que se comprova pelos prêmios que recebeu) em confronto com os ataques que sofre ao longo do tempo, apontando-se como um defeito o regionalismo que a permeia. Nas palavras do próprio autor, em entrevista concedida à Folha de São Paulo, o conceito de regionalismo implica a existência de um centro de produção literária em oposição a uma periferia, de onde viriam as obras ditas regionais. Graciliano Ramos não foi regionalista, mas um escritor brasileiro e universal, assim como Machado de Assis. Kafka era da periferia, Flaubert, da província, Garcia Marques também do interior. O que interessa é o que o escritor faz a partir de um centro simbólico, de um chão histórico . A resposta dada por Milton Hatoum é reforçada pelos artigos que produziu na extinta revista Entre Livros na qual assinava a coluna Norte. Em alguns desses artigos, ele teceu considerações sobre autores que viveram a experiência de representar literariamente um centro simbólico. Um desses autores é William Faulkner cuja obra sempre esteve ligada ao Sul dos Estados Unidos, sabidamente mais pobre que o Norte rico e avançado tecnologicamente. É possível que, em certa medida a experiência de criar a obra literária a partir do confronto com a ruína ou com o atraso, nas tensões presentes entre centro e periferia tenham moldado muito da obra de Milton Hatoum, mas o rotulo regionalismo exprime a intensidade que tais tensões significam ou a reduz? Para responder a essa pergunta, faz-se necessário refletir sobre a idéia segundo a qual a permanência do conceito de regionalismo ainda não foi superada pela cultura literária brasileira. Na verdade, cabe verificar em que medida o termo é um rótulo que diminui não só tensões evidentes entre os diferentes Brasis, mas também se manifesta como uma categoria que nunca foi suficientemente definida.pt_BR
dc.description.sponsorshipVoluntáriopt_BR
dc.formatPDF-
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Amazonaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentLíngua e Literatura Portuguesapt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências Humanas e Letraspt_BR
dc.publisher.programPrograma PIBIC 2009pt_BR
dc.publisher.initialsUFAMpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectRegionalismo-
dc.subjectCrítica-
dc.subjectNarrativa-
dc.subject.cnpqLinguística, Letras e Artes: Literatura Brasileirapt_BR
dc.titleEntre universalidade e regionalismo: levantamento de uma fortuna crítica para a obra de Milton Hatoumpt_BR
dc.typeRelatório de Pesquisapt_BR
dc.pibic.cursoLetras - Língua e Literatura Portuguesapt_BR
dc.pibic.nrprojetoPIB-H/0086/2009-
dc.pibic.projetoEntre universalidade e regionalismo: levantamento de uma fortuna crítica para a obra de Milton Hatoum-
dc.pibic.dtinicio2009-08-13-
dc.pibic.dtfim2010-07-28-
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
File SizeFormat 
PIB-H00862009.pdf330,83 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.