Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2124
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Estudo de mercúrio em amostras de sedimentos de igarapé e lagos da Amazônia
metadata.dc.creator: Flavia Kamilla Aguiar Verçoza
metadata.dc.contributor.advisor1: Genilson Pereira Santana
metadata.dc.description.resumo: O mercúrio (Hg) e seus compostos são altamente tóxicos para o homem e para os ecossistemas. Inicialmente considerado um problema agudo e local, a poluição pelo Hg é atualmente entendida como global, difusa e crônica. Doses elevadas podem ser fatais para o homem, mas mesmo doses relativamente baixas podem ter repercussões adversas graves no desenvolvimento neurológico, prejudiciais ao sistema cardiovascular, imunológico e reprodutivo. O Hg retarda também as atividades microbiológicas nos solos, é persistente e, no meio ambiente, pode transformar-se em metilmercúrio (MeHg) no meio aquático, sendo esta a sua forma mais tóxica para os organismos. As primeiras evidências dos efeitos neurotoxicológicos do Hg, em conseqüência da ingestão materna de alimentos contaminados, foram observadas em crianças na cidade de Minamata, Japão, na década de 50, onde o MeHg liberado de uma indústria química contaminou as águas da baía local. O Hg eliminado na baía entrou na cadeia trófica atingindo moluscos, crustáceos e peixes, sofrendo processos de bioacumulação. Os resultados de pesquisas na Amazônia apontam para níveis preocupantes de mercúrio nos peixes piscívoros, superando em média os limites máximos permitidos para consumo humano estabelecidos pela OMS. Como conseqüência deste resultado é também elevada a concentração de Hg em amostras de cabelo da população ribeirinha da Amazônia em cuja dieta o consumo do peixe é predominante. O rio Negro, de pouca atividade de mineração, tem quase o dobro de mercúrio do rio Tapajós, em cuja bacia se extrai muito ouro. A contaminação de áreas de mineração e rios preocupa desde o auge do ouro amazônico nos anos 80. Os garimpeiros usam o mercúrio para separar partículas de ouro dispersas na terra, gerando a amálgama (mercúrio misturado com ouro), que posteriormente é aquecida a elevadas temperaturas para evaporação do mercúrio, o que contamina as pessoas próximas e o meio ambiente em geral. Infelizmente o comportamento do Hg dentro das diversas frações que existem no solo ainda não foi estudado. Um dos motivos é característica complexadas das matrizes, com a do solo e sedimento. Muitos autores na literatura recorrem ao uso do tratamento seletivo para responder o comportamento de metais nessas matrizes. Sendo assim, nesse projeto será aplicado o uso de tratamento químico seletivo para verificar o comportamento do Hg em matrizes de sedimento de alguns locais da região de Manaus.
Abstract: 
Keywords: Tratamento seletivo, elemento-traco, contaminaçãoi
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências Exatas e da Terra: Quimica Analitica
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Química
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2010
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2124
Issue Date: 1-Jul-2011
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.