Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2603
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Otimização e validação da qualidade do biodiesel produzido a partir do óleo de pinhão manso
metadata.dc.creator: Rafaela Fernanda Batista
metadata.dc.contributor.advisor1: Valdomiro Lacerda Martins
metadata.dc.description.resumo: Embora no final do século XIX, Ruldolf Diesel, inventor do motor a diesel, tenha desenvolvido um motor que funcionava à base de uma variedade de óleos vegetais, o aprimoramento do motor a óleo diesel, criou barreiras técnicas para a utilização do óleo vegetal e, com aumento em escala industrial da petroquímica, os preços tornaram-se imbatíveis. Felizmente, em meados dos anos 70, devido às crises mundiais que elevaram muito o preço do petróleo, os óleos vegetais voltaram a ser pesquisados para servir como fonte de combustão para motores. Desde então, estudos foram feitos para contornar a inviabilidade de seu uso direto como combustível, sendo a sua alta viscosidade um dos principais fatores. Esse inconveniente foi contornado através do uso de alguns métodos, como craqueamento, esterificação e transesterificação, tendo como produto final ésteres (biodiesel), grupamentos químicos muito parecidos com os hidrocarbonetos que formam o óleo diesel. O biodiesel é uma fonte de combustível renovável e biodegradável, obtido comumente a partir da reação química de óleos ou gorduras, de origem animal ou vegetal (mamona, girassol, soja, algodão, canola, milho, palma). A busca pela inserção do biodiesel na matriz energética tem sido um dos focos de vários países e blocos comerciais. Esse interesse se alicerça no tripé: (1) ambiental (melhoria das condições climáticas por redução das emissões e utilização de CO2 pela matéria-prima); (2) social (desenvolvimento rural associado à produção de matéria-prima) e (3) energia (independência de fornecedores). No Brasil, inúmeros estudos têm sido feito com diferentes oleaginosas para produção de biodiesel. Nesses estudos têm sido avaliadas as potencialidades bioenergéticas de cada região, a fim de que a produção de biodiesel possa cumprir uma das suas funções sociais que é gerar emprego e renda no campo. No Amazonas, uma das oleaginosas com potencial para produção de biodiesel é o pinhão manso. Cientificamente conhecido como Jatropha curcas L., o pinhão manso é uma espécie, resistente a longas estiagens e a pragas e doenças, sendo adaptável a condições edafoclimáticas muito variáveis. Além de se desenvolve bem tanto em regiões tropicais secas como nas zonas equatoriais úmidas, assim como em terrenos áridos e pedregosos, podendo suportar longos períodos de seca. Nesse contexto, dada as características favoráveis dessa planta na região, no primeiro ano desse projeto procurou-se produzir biodiesel a partir de óleos de pinhão manso, utilizando o etanol como álcool, entretanto, devido às dificuldades de uma boa separação entre o biodiesel e a glicerina após reação de transesterificação, utilizou-se como alternativa uma mistura etanol/metanol com uma quantidade mínima de metanol. No segundo ano do projeto será feita uma otimização nas variáveis de controle da produção do biodiesel usando análise de fatores e validação de sua qualidade utilizando a análise de variância (do inglês: Analysis Of Variance ANOVA).
Abstract: 
Keywords: Análise de fatores
biodiesel
pinhão manso
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências Exatas e da Terra: Quimica Analitica
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiara
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2011
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2603
Issue Date: 31-Jul-2012
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.