Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2929
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Cristina Melo Rocha
dc.creatorManoela Coelho Cavalcanti
dc.date.accessioned2016-09-23T15:23:45Z-
dc.date.available2016-09-23T15:23:45Z-
dc.date.issued2012-07-31
dc.identifier.urihttp://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2929-
dc.description.abstractpt_BR
dc.description.resumoHá cerca de 6 milênios a tuberculose começou a ser descrita e estudada, mas até os dias de hoje ela faz muitas vítimas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que, em 2008, surgiram 9.4 milhões de novos casos de tuberculose no mundo. No mesmo ano, foi estimado 1 milhão e 800 mil mortes por tuberculose, entre pacientes HIV positivos e negativos. Segundo a Organização Panamericama da Saúde (OPS) em relatório publicado em 2009, o Brasil está entre os países que devem tratar a tuberculose com atenção prioritária, contando com 80.461 casos confirmados das diversas formas de tuberculose, sendo o maior em número absoluto das Américas. O estado do Amazonas, por sua vez, apresenta uma situação ainda mais preocupante com o maior índice do país, 68,93 casos por 100 mil habitantes. Somente na capital, Manaus, foram registrados 1.739 casos de tuberculose em 2009. O esquema inicial de tratamento para a tuberculose consiste na combinação dos fármacos rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol, com conhecido potencial efeito hepatotóxico. Além disso, a tuberculose sensibiliza a defesa do indivíduo, tornando-o mais suscetível a coinfecções, como as hepatites virais, o que tece um cenário alarmante para os habitantes de áreas endêmicas para tais infecções como a amazônia ocidental. O levantamento feito pela Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, situada na capital Manaus, constatou, no período de 2007 a 2009, a ocorrência de 229 novos casos de hepatites virais (139 de VHB, 30 de VHC, 46 de VHD e 14 de coinfecção tipo VHB + VHC), confirmando a relevância de se estudar a coinfecção de tuberculose e hepatites virais. Portanto, o presente trabalho visa a determinação da incidência de hepatites virais tipos B, C e D em pacientes com tuberculose no Ambulatório Araújo Lima (AAL).pt_BR
dc.description.sponsorshipFAPEAMpt_BR
dc.formatPDF
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Amazonaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentClínica Médicapt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Ciências da Saúdept_BR
dc.publisher.programPROGRAMA PIBIC 2011pt_BR
dc.publisher.initialsUFAMpt_BR
dc.rightsAcesso Restritopt_BR
dc.subjectHepatites Virais
dc.subjectTuberculose
dc.subjectTratamento Hepatotóxico
dc.subject.cnpqCiências da Saúde: Medicinapt_BR
dc.titlePrevalência de hepatites virais B, C e D em pacientes com Tuberculose atendidos no Ambulatório Araújo Limapt_BR
dc.typeRelatório de Pesquisapt_BR
dc.pibic.cursoMedicinapt_BR
dc.pibic.tipobolsa
dc.pibic.nrprojetoPIB-S/0122/2011
dc.pibic.projetoPrevalência de hepatites virais B, C e D em pacientes com Tuberculose atendidos no Ambulatório Araújo Lima
dc.pibic.dtinicio2011-08-01
dc.pibic.dtfim2012-07-31
dc.contributor.colaboradorThalita Campos Gavinho
dc.contributor.Lattes
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.