Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3218
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Eventos extremos de cheias e secas na calha do Rio Solimões: suas proporções e classificação.
Autor(a): Diego Gomes Aguiar
Orientador(a): Naziano Pantoja Filizola Junior
Resumo: A sazonalidade dos rios amazônicos faz parte do contexto de vida das populações tradicionais que dela dependem, tornando-se um fator que pode ter um viés tanto positivo quanto negativo para os que moram às margens dos cursos d água. Prova disso são os eventos extremos críticos que tem se tornado mais frequentes na Amazônia ampliando ainda mais os efeitos da variabilidade natural dos níveis dos rios. Períodos de águas altas contrastando com períodos de águas baixas refletem cenários distintos que constantemente impelem a população a se adaptar. Com os eventos extremos se tornando mais frequentes estas adaptações nem sempre conseguem garantir a segurança das populações. Exemplos disso são os eventos que recentemente afetaram boa parte do estado do Amazonas, sendo os anos de 2005 e 2010 (anos de seca extrema) e os anos de 2006 e 2009 (cheia extrema), quando vários municípios do estado decretaram estado de calamidade pública, necessitando de ações emergenciais de Defesa Civil. As estações hidrométricas instaladas nas margens dos rios desempenham um papel importante em ambos os cenários acima descritos. Fornecem dados diários do nível do rio proporcionando um acompanhamento do mesmo em diversas partes da bacia Amazônica, identificando a maior ou menor contribuição dos tributários em eventos críticos, bem como o deslocamento das ondas de cheia e/ou das recessões. Estes dados são coletados por um sistema de estações automáticas, as Plataformas de Coleta de Dados (PCDs) de propriedade da Agência Nacional de Águas (ANA). Nestas plataformas, os dados são obtidos através de sensores, armazenados e transmitidos via satélite e posteriormente disponibilizados através do site daquela agência na internet, aumentando a possibilidade de avaliação das informações em tempo quase real. Os eventos extremos nos anos acima destacados uma vez analisados com base nas informações hidrológicas e em especial no conjunto da série histórica das estações permitem a construção de modelos de funcionamento dos rios. Tais modelos indicam como os diferentes rios se comportaram nos respectivos cenários, influenciados por eventos de cheia ou seca anômalos. Após uma análise mais detalhada de possíveis padrões de comportamento hidrológico, a formulação de tipologias concernentes à intensidade dos eventos extremos pode ser identificada. Deste modo, através deste projeto, essas tipologias se mostram de extrema relevância para auxiliar nos alertas de eventos extremos e possibilitar uma melhor tomada de decisão no que diz respeito ao desencadeamento de ações preventivas, bem como na consequente remediação de desastres.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Hidrologia
Eventos extremos
Cotas fluiviometricas
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: GeoCiencias
Idioma: pt_BR
País de publicação: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da Instituição: UFAM
Faculdade, Instituto ou Departamento: Geografia
Instituto de Ciências Humanas e Letras
Nome do programa: PROGRAMA PIBIC 2012
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3218
Data do documento: 31-jul-2013
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.