Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3556
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Relação entre pressão e volume para implantação da técnica semiautomática de produção de gases in vitro na região do Baixo Amazonas
metadata.dc.creator: Viviann Greicy Batista Leal
metadata.dc.contributor.advisor1: Ícaro dos Santos Cabral
Resumo: O estudo da digestão de alimentos utilizando ensaios com animais é de grande importância para as pesquisas em Nutrição Animal, porém esses ensaios, normalmente, requerem uma grande quantidade de alimento e espaço, além de serem laboriosos. O desenvolvimento da técnica de fermentação in vitro reduz custos da pesquisa, acelera a obtenção de dados e não ofende os princípios de bem-estar animal. O princípio deste método consiste em deixar amostras de alimentos em contato com o conteúdo do rúmen, no interior de um tubo de ensaio, onde se tenta reproduzir as condições predominantes do rúmen-retículo, como presença de microorganismos, anaerobiose, temperatura de 39°C, pH de 6,9 e poder tampão. A fermentação proveniente da ação dos microorganismos sobre o alimento produz gases, que são diretamente proporcionais ao ataque microbiano. A partir da medição do volume de gás produzido é possível estimar a quantidade de substrato que foi degradado pelos microorganismos ruminais A metodologia da produção de gases in vitro contempla a quantificação da pressão produzida pelos gases no interior de compartimentos de volume conhecido. Por conseguinte, de acordo com a lei de Boyle e Gay-Lussac (PV=nRT) a relação entre os resultados de pressão e volume de gases obtidos, varia na dependência da altitude do laboratório onde foi desenvolvido o ensaio (Williams, 2000). Sendo assim, torna-se necessária a determinação de uma equação específica para cada laboratório, a fim de reduzir erros experimentais e agregar maior confiabilidade aos dados. A pesquisa será conduzida nas dependências do Laboratório de Nutrição Animal do ICSEZ/UFAM em Parintins, no Estado do Amazonas, localizado a 27 m de altitude, 2°37′40″ S de latitude e 56°44′9″ W de longitude. Amostras de capim humidícola (Brachiaria humidicola) e torta de cupuaçu (Theobroma grandiflorum) serão incubadas em 6 proporções (níveis) diferentes (0:100, 20:80; 40:60, 60:40, 80:20, 100:0). Em cada frasco, serão pesadas as amostras dos alimentos nas proporções referente a cada nível a fim de totalizar 300 mg de amostra total que serão acrescidas com líquido ruminal (inóculo) e meio de cultura. Os frascos serão vedados com rolhas de borracha e conduzidos para a estufa à temperatura de 39°C. A pressão, na unidade de psi (pressão por polegada quadrada), originada dos gases acumulados na parte superior dos frascos serão medidas através de um transdutor de pressão (PressDATA 800) conectado a uma válvula de três saídas. As leituras de pressão e volume serão aferidas em maior frequência durante o período inicial de fermentação e reduzidas posteriormente (1, 2, 3, 4, 6, 8, 10, 12, 14, 17, 20, 24, 28, 36, 48, 72, 96, 120 e 144 horas. Para a análise dos dados de pressão e volume, será utilizado o pacote estatístico Statistical Analysis System (SAS), através do Procedimento Regressão (PROC REG) que irá gerar a equação de regressão esperada.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Produção de gases
degradabilidade in vitro
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Agrárias: Avaliacao de Alimentos para Animais
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Zootecnia e Ciências Sociais Aplicadas - Parintins
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2013
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3556
Data do documento: 31-jul-2014
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.