Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3764
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Análise química e farmacológica de óleos essenciais obtidos de espécies vegetais da família Lauraceae
metadata.dc.creator: Yuri Renê Santos Ferreira
metadata.dc.contributor.advisor1: Jefferson Rocha de Andrade Silva
Resumo: A família Lauraceae possui cerca de 2500 espécies em 52 gêneros, com distribuição de cerca de 29 gêneros e 900 espécies nas Américas. A família é comum em florestas tropicais de altitude, com algumas espécies habitando em grandes altitudes, mas a grande diversidade ocorre nas terras baixas na Amazônia e América Central. As espécies vegetais de Lauraceae são utilizadas amplamente em diversos segmentos da indústria, por exemplo, na alimentação, o abacate (Persea americana), a canela (Cinnamomun verum) e o louro (Laurus nobilis). Ainda nesse contexto, as espécies da família possuem alto valor comercial no mercado, porque são espécies aromáticas e produtoras de óleos essenciais e possuem aplicação na indústria de cosméticos, onde o pau-rosa (Aniba rosaeodora) ocupa lugar de destaque. Os óleos essenciais (OE) podem, de fato, serem usados como insumos na indústria de química fina, principalmente na elaboração de perfumes, fragrâncias e cosméticos. Adicionalmente, a possiblidade de aplicações dos OE, e, evidentemente das substâncias obtidas a partir destes, abarca a indústrias de medicamentos, veterinária e horticultura (inseticidas, fungicidas, bactericidas, larvicidas). Deve-se salientar que a composição dos óleos essenciais é determinada por fatores genéticos, porém os fatores ambientais podem causar variações significativas em seus componentes. A época da colheita, fontes geográficas, o horário, o modo de secagem do material vegetal e fatores ambientais, como umidade, água, solo e herbivoria também podem influenciar sobre a composição e o teor do óleo. Em trabalho recente realizado pelo nosso grupo de pesquisas, as folhas de Aniba canelilla e Licaria canella foram coletadas nas estações climáticas predominantes no Amazonas, verão e inverno, e os óleos essenciais obtidos por hidrodestilação foram analisados por CG-EM. Os resultados mostraram uma larga predominância de benzenóides, sendo o principal constituinte o benzil benzoato em L. canella e 1-nitro-2-feniletano em A. canelilla. Os resultados derivados desse trabalho evidenciaram que o constituinte principal dos óleos essenciais de L. canella é comercialmente utilizado como uma medicação tópica contra várias parasitoses, o que sugere uma utilização potencial deste óleo para esta finalidade. Adicionalmente, percebeu-se que as folhas de L. canella e A. canelilla podem ser qualificadas como duas fontes naturais, abundantes e renováveis ecologicamente de benzoato de benzilo e 1-nitro-2-feniletano, respectivamente, com valor comercial para fins medicinais, no caso de L. Canella e como um aroma para as indústrias de cosméticos e alimentos no caso A. Canelilla. Diante essas premissas, tendo em vista, o grande potencial biológico e econômico que os óleos essenciais possuem, o presente trabalho pretende avaliar a composição química dos óleos essenciais obtidos de espécies de Lauraceae em coletas realizadas em estações climáticas distintas.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Lauraceae
óleo essencial
cromatografia
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica dos Produtos Naturais
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Química
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2013
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3764
Data do documento: 31-jul-2014
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.