Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4392
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Gustavo Yomar Hattori
dc.creatorLeo Jaime Filgueira de Oliveira
dc.date.accessioned2016-09-23T15:46:49Z-
dc.date.available2016-09-23T15:46:49Z-
dc.date.issued2015-07-31
dc.identifier.urihttp://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4392-
dc.description.abstractpt_BR
dc.description.resumoA Região Amazônica possui a maior bacia hidrográfica do mundo, com cerca de 7 milhões de Km². Nesta região a pesca é uma das atividades de maior relevância social e econômica, tanto para populações que dependem direta ou indiretamente do pescado, quanto para quem vem em busca de lazer pela pesca esportiva. O objetivo do presente estudo será testar a atratividade do caranguejo Dilocarcinus pagei como isca-viva em Itacoatiara (AM), comparando com outros tipos de isca, os tipos de cursos d água e períodos do dia. De agosto de 2014 à julho de 2015, as iscas vivas serão coletadas com puçás de mão nas margens dos lagos do Ozório, Poranga e Centenário. Os animais serão encaminhados em sacos plásticos aerados até o laboratório, onde serão mantidos vivos até o momento de sua utilização como isca na pesca. Os locais escolhidos para a pesca foram os rios Amazonas, Carú e Urubu, e os lagos de Serpa, Poranga e Sangaua. Serão montados cinco espinhéis de 5h00min às 7h00min, 11h00min às 13h00min e 17h0min às 19h00min, durante três dias seguidos em cada um dos locais de pesca selecionados. O espinhel consiste em uma linha de 25m com boias feitas de garrafa pet, de onde dependerão outras doze linhas menores em intervalos regulares de 1,5m, onde serão colocadas iscas intercaladas de coração de galinha, camarão vivo, isca artificial e iscas vivas de D. pagei. As espécies de peixes coletados serão fotografados, mensurados quanto ao comprimento com fita métrica e quanto ao peso utilizando balança de mão (até 50Kg), sendo posteriormente soltos no mesmo local da captura. A identificação das espécies de peixes também será correlacionada com o tipo de isca utilizado. Para analisar a atratividade de D. pagei como isca viva será realizada uma ANOVA fatorial entre os tipos de isca, horários e locais de pesca. Em caso de significância as médias serão comparadas pelo Teste de Tukey ou Teste t Student. Para todos os testes será utilizado o nível de significância de p<0,05.pt_BR
dc.description.sponsorshipCNPQpt_BR
dc.formatPDF
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Amazonaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiarapt_BR
dc.publisher.departmentpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA PIBIC 2014pt_BR
dc.publisher.initialsUFAMpt_BR
dc.rightsAcesso Restritopt_BR
dc.subjectCrustacea
dc.subjectTrichodactylidae
dc.subjectPesca
dc.subject.cnpqCiências Biológicas: Zoologia Aplicadapt_BR
dc.titleO potencial do caranguejo vermelho Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 para exploração como isca-viva no Município de Itacoatiara (AM)pt_BR
dc.typeRelatório de Pesquisapt_BR
dc.pibic.cursoCiências: Biologia e Químicapt_BR
dc.pibic.tipobolsa
dc.pibic.nrprojetoPIB-B/0024/2014
dc.pibic.projetoO potencial do caranguejo vermelho Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 para exploração como isca-viva no Município de Itacoatiara (AM)
dc.pibic.dtinicio2014-08-01
dc.pibic.dtfim2015-07-31
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.