Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4429
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Dano celular em estudantes de Medicina expostos ao formaldeído.
metadata.dc.creator: Lívia Manuela Medeiros Serafim
metadata.dc.contributor.advisor1: Jarbas Pereira de Paula
metadata.dc.description.resumo: O formaldeído é um líquido incolor, com odor pungente e sufocante conhecido também como aldeído fórmico, formol. O formol é usado como bactericida, preservativo de tecidos, desinfetante, anti-séptico e para embalsamar cadáveres. A exposição ocorre devido aos gases no ambiente laboral, o que atinge diretamente os profissionais da área de saúde, professores e estudantes. Sua ação citotóxica e genotóxica têm sido atribuídas a ataques nucleofílicos a grupos aminos e sulfidrilas presentes em muitas biomoléculas. O efeito predominante da exposição, em curto prazo, é a irritação sensorial, primeiramente nos olhos, seguida da percepção do odor e, então, irritação das mucosas do nariz e da garganta, que ocorrem acompanhados por lacrimejamento, espirros, tosse, náuseas e dispnéia. A maioria das irritações sensoriais ocorre somente após a exposição a uma concentração de 1ppm. O formaldeído é genotóxico, e pode induzir alterações cromossômicas em células da nasofaringe e bucais, e possivelmente, sangue e células da medula óssea. Vários estudos têm analisado a associação entre o formaldeído e os riscos de câncer em humanos. A mais recente avaliação da Agência Internacional de Pesquisas em Câncer classificou o formaldeído como carcinogênico para humanos e concluiu que existem evidências de que o formaldeído causa câncer nasofaríngeo e pode causar leucemia. Assim, este projeto, pretende avaliar os danos celulares do formol em estudantes de medicina. A realização do estudo será feita por meio do Ensaio Cometa. Este ensaio possibilita a avaliação de dano e de reparo do DNA em células proliferantes e não proliferantes, em nível individual, utilizando-se pequenas amostras celulares. O Ensaio Cometa tem amplas aplicações em toxicologia genética, em testes de genotoxicidade in vitro e in vivo, no biomonitoramento ambiental e no monitoramento populacional humano. Deste modo, considerando as condições do laboratório de Anatomia da UFAM, o número de alunos atendidos e a temperatura da região amazônica, faz-se necessária a avaliação dos riscos ocupacionais da exposição contínua ao formaldeído, visto que, o curso de Medicina possui carga horária de 270 h/aula anual, além de períodos extras, para execução de atividades de dissecação de cadáveres. Ao fim da pesquisa os voluntários receberão um resumo dos resultados com indicações de medidas para minimizar os riscos. Tendo em vista a programação de três coletas de material biológico dos indivíduos da pesquisa aprovada no edital PIBIC 2013, através do registro PIB-B/103/2013, esta renovação faz-se necessária a fim de cumprir a metodologia proposta, ou seja, terceira e última coleta, seguida de análise dos dados e publicação dos resultados. Salientamos que o cronograma anteriormente proposto não foi cumprido totalmente devido as alterações do calendário acadêmico da Universidade Federal do Amazonas.
Abstract: 
Keywords: teste cometa, formol, dano celular, genotoxicidade
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências Biológicas: Anatomia Humana
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Ciências Morfológica
Instituto de Ciências Biológicas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2014
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4429
Issue Date: 31-Jul-2015
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.