Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4998
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Caracterização morfológica, fisiológica e patogênica de isolados Mycosphaerella musicola de Itacoatiara AM
Autor(a): Elem Maria Serrão de Oliveira
Orientador(a): Liane Cristine Rebouças Demosthenes
Resumo: A Sigatoka amarela, causada por Mycosphaerella musicola (Leach ex Mulder), está entre as doenças de maior ocorrência e importância da cultura da bananeira no Brasil e no mundo. Os sintomas da Sigatoka são caracterizados pela presença de estrias necróticas de coloração acinzentada com halo amarelo, paralelas às nervuras secundárias da folha. Com o progresso da doença as estrias coalecem formando áreas necrosadas nas margens da folha. O dano atribuído à doença é a perda precoce das folhas, reduzindo a atividade fotossintética e, consequentemente, a produção. O conhecimento da variabilidade morfológica fisiológica, genética e patogênica de um fungo é um dos primeiros passos para se estabelecer medidas de controle eficientes no manejo de uma doença. O maior conhecimento das características dos isolados dentro de uma região permitem inferir sobre sua capacidade de adaptação às características da região e estratégias de sobrevivência, além de servirem como informação básica para futuros estudos de variabilidade genética. Consumida pelas mais diversas camadas da população, a banana se faz presente na mesa dos brasileiros não apenas como sobremesa, mas como alimento, com um consumo per capita em torno de 25 kg/ano. Folhas de bananeira exibindo sintomas típicos de Sigatoka amarela serão coletadas e levadas ao Laboratório para isolamento do patógeno. Após o crescimento do fungo, será feita a confirmação da espécie através da comparação das características morfológicas da colônia com características descritas em chaves de identificação. Os isolados serão preservados pelo método Castellani e em tubos de ensaio contendo BDA, para os estudos subsequentes. O teste de patogenicidade será feito segundo Rosa & Menezes (2001) em segmentos de folhas de bananeiras cortadas que serão inoculadas. As folhas inoculadas e testemunhas serão mantidas em câmara úmida, em condições de laboratório, cobrindo-se as bandejas com sacos plásticos, internamente umedecidos com água destilada esterilizada, por um período de 30 dias. A avaliação será efetuada pela presença ou ausência de sintomas necróticos. Para os estudos fisiológicos, os isolados de M. musicola serão cultivados em diferentes meios de cultura e avaliado o seu crescimento diário. O delineamento estatístico utilizado será inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 3 x 3, representado pelos diferentes meios e níveis de pH, perfazendo um total de 9 tratamentos para cada isolado, com três repetições para cada tratamento. A caracterização morfológica será efetuada utilizando-se as culturas de M. musicola com presença de esporos, sendo a avaliação feita com base no aspecto, cor e septação dos mesmos. Os dados serão analisados estatisticamente e as médias comparadas pelo teste de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Sigatoka amarela
caracterização morfológica
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Agrárias: Fitopatologia
Idioma: pt_BR
País de publicação: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da Instituição: UFAM
Faculdade, Instituto ou Departamento: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiara
Nome do programa: PROGRAMA PIBIC 2015
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4998
Data do documento: 31-jul-2016
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.