Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5067
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Ação dos andrógenos no comportamento agressivo de Aequidens pallidus Heckel (1940) (Pisces, Cichlidae)
Autor(a): Tarcila de Araújo Alves
Orientador(a): Thais Billalba Carvalho
Resumo: Diversos fatores afetam a agressividade em peixes, incluindo os níveis plasmáticos de andrógenos. O contexto social pode modular esses níveis hormonais em vertebrados, evidenciando recíproca associação entre os esteróides sexuais e o comportamento. Desta forma, o objetivo deste trabalho será testar se a concentração de andrógenos (testosterona e 11-cetotestosterona) modula a frequência do comportamento agressivo no ciclídeo ornamental Aequidens pallidus. Para isso, dois indivíduos de mesmo tamanho serão isolados por 72 horas e, em seguida, pareados (n=10) por 60 minutos em um aquário neutro para a observação e registro do comportamento agressivo. Antes e após o período de isolamento serão realizadas coletas de sangue precedidas por 24 horas de jejum. Toda a manipulação dos animais (biometria, isolamento e coleta de sangue) será precedida por anestesia com eugenol (64 μL / L). Será comparada a latência para os confrontos e o tempo para o definição das posições sociais. A quantificação da interação agressiva será baseada em etogramas descritos para outras espécies de ciclídeos. Após a quantificação do comportamento agressivo, os animais serão divididos em dois grupos: Maior agressividade - animais que apresentarem total de interação agressiva acima do valor da mediana. Menor agressividade- animais que apresentarem total de interação agressiva abaixo do valor da mediana. Os dados serão testados quanto á normalidade pelo teste de Shapiro-Wilk e à homogeneidade da variância pelo teste F max. A frequência das interações agressivas e os níveis plasmáticos de andrógenos serão comparados entre os grupos por teste t independente (teste paramétrico) ou por Mann-Whitney (teste não paramétrico). Espera-se que maior secreção de andrógenos estimule a agressividade, uma vez que estes esteróides dão suporte aos desafios sociais e preparam o animal para situações de competição. Assim, avaliar o efeito dos hormônios sobre o comportamento agonístico é de grande importância, pois permite o entendimento da modulação endócrina sobre o contexto social e, consequentemente, o desenvolvimento de técnicas aplicadas a sistemas de produção animal.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: interação agressiva
hormônio
ciclídeo
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Biológicas: Comportamento Animal
Idioma: pt_BR
País de publicação: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da Instituição: UFAM
Faculdade, Instituto ou Departamento: Ciências Fisiológicas
Instituto de Ciências Biológicas
Nome do programa: PROGRAMA PIBIC 2015
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5067
Data do documento: 31-jul-2016
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.