Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5120
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Padronização de óleos de copaiba por cromatografia a gas (CG) e acoplada à espectrometria de massas (CG-EM)
metadata.dc.creator: Davi Santos Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor1: Valdir Florêncio da Veiga Junior
Resumo: Mesmo apresentando diversas aplicações nas indústrias farmacêutica e de cosméticos, a comercialização do óleo de copaíba vem diminuindo devido a variação na composição química que esses óleos costumam apresentar. Essa composição já se encontra descrita em diversos artigos, mas apesar da extensa literatura sobre os óleos-resina de copaíba e sua produção, ocorre consideráveis variações atribuídas à mistura de óleos de diferentes espécies botânicas, ou ainda, de espécimes de idades e locais diferentes; má identificação das espécies; falta de padronização do óleo-resina ou ainda a problemas de falsificação/adulteração. Essa variação dificulta a padronização da composição química desses óleos, comprometendo seu controle de qualidade e consequentemente a qualidade dos produtos a que darão origem. Técnicas antigas, bem como técnicas mais modernas de isolamento e identificação, tais como a cromatografia liquida de alta eficiência (HPLC), cromatografia com fluido super-crítico com detector de infravermelho (SFC-FT-IR) e a cromatografia em fase gasosa acoplada à espectrometria de massa com colunas cromatográficas de fase estacionária quiral (β- ciclodextrina permetilada) têm permitido o conhecimento da composição química desses óleos-resina. A cromatografia em fase gasosa é umas das técnicas mais utilizadas, com um poder de resolução excelente, tornando possível, muitas vezes, a análise de uma maior quantidade de substâncias de uma mesma amostra. O uso bastante acentuado de cromatografia em fase gasosa se deve também aos baixos limites de detecção que podem ser conseguidos. Essa característica faz com que haja necessidade de pequenas quantidades de amostras, o que, em certos casos, é um fator crítico e que limita a utilização de outras técnicas . As espécies do gênero Copaifera compartilham muitas características em comum e somente uma análise da morfologia externa não é suficiente para distingui-las. Sua identificação botânica normalmente é realizada de acordo com as características das flores e dos frutos, mas estes são dificilmente encontrados, pois o período de floração é rápido e nem sempre é anual . Neste sentido, o presente trabalho objetiva padronizar a composição química dos óleos de copaíba por meio de técnicas de cromatografia em fase gasosa acoplada a detector de ionição de chama e de espectrometria de massas utilizando um grande conjunto de amostras já disponível no laboratório, fruto de colaboração com pesquisadores do INPA.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Oleos de copaiba
padroniacao
CG-EM
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica dos Produtos Naturais
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Química
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2015
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5120
Data do documento: 31-jul-2016
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.