Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5126
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Avaliação da estabilidade oxidativa do óleo de inajá
metadata.dc.creator: Fagnaldo Braga Pontes
metadata.dc.contributor.advisor1: Margarida Carmo de Souza
Resumo: Dentre as plantas nativas oleíferas encontradas no Brasil está o inajazeiro (Maximiliana maripa (Aubl.) Drude), uma palmeira pertencente à família Arecaceae (Palmae) comumente encontrada em toda a Amazônia. Os frutos dos inajazeiros, conhecidos como inajás, são oblongos e elipsoides de coloração pardo-amarelo, de 3 a 4 cm de com¬primento e 2 cm de diâmetro, abrigam endocarpos que contêm de uma a três amêndoas. Essas amêndoas são ricas em óleo, com composição de aproximadamente 82 a 88% de ácidos graxos saturados e 12 a 18% de ácidos graxos insaturados. As características do óleo de inajá possibilitam a sua utilização como matéria prima nas indústrias alimentícia, cosmética, saboeira e na produção de biodiesel. Apesar das características favoráveis a diversas aplicações do óleo de inajá, o fator determinante que viabiliza o seu uso é a estabilidade a processos oxidativos, que depende de todos os processos aos quais os óleos são submetidos, desde a coleta até o armazenamento. A avaliação do estado de oxidação de óleos e gorduras, ou seja, a medida da rancidez é uma determinação importante do ponto de vista industrial. Trata-se de um modo de controlar e garantir a qualidade das matérias-primas adquiridas, bem como um método de controle de qualidade dos produtos comercializados. Existem diferentes métodos para a avaliação da estabilidade oxidativa de óleos e gorduras. Cada método fornece informações sobre um estado particular do processo oxidativo, variável em função das condições aplicadas e dos substratos lipídicos usados. As análises clássicas, como índice de peróxidos, acidez e saponificação, são comumente utilizadas no controle de qualidade de óleos vegetais. Além disso, fatores como a mudança de coloração, aumento da viscosidade e alterações sensoriais podem ser observadas no processo de degradação dos óleos vegetais. Nesse contexto, o objetivo desse projeto é avaliar a estabilidade oxidativa do óleo de inajá, através da espectrofotometria de varredura na faixa do espectro ultravioleta e da determinaçao dos níveis de peróxido, acidez, saponificação. Além disso, verificar, se possível, a influência da sazonalidade nas características físico-químicas do óleo, a partir da coleta de várias amostras de uma mesma palmeira em períodos diferentes
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: oxidação
acidez
peróxido
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica Analitica
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiara
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2015
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5126
Data do documento: 31-jul-2016
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.