Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2869
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Emerson Silva Lima-
dc.creatorMarcela da Costa Barbosa-
dc.date.accessioned2016-09-23T15:23:33Z-
dc.date.available2016-09-23T15:23:33Z-
dc.date.issued2012-07-31-
dc.identifier.urihttp://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2869-
dc.description.resumoAs enzimas α-amilases e α-glucosidases são amplamente distribuídas em microrganismos, plantas e animais, onde atuam ao impedir a absorção de carboidratos após ingestão de alimentos. Estes hidratos de carbono, polissacarídeos complexos principalmente, devem ser hidrolisados por estas enzimas digestivas para poderem ser absorvidos no intestino. A inibição da captação de carboidratos na saúde humana pode ser uma alternativa terapêutica no controle glicêmico, reduzindo picos de glicose pós-prandial no tratamento de doenças crônicas, tais como diabetes tipo II, obesidade e hiperlipidemia. As lipases são enzimas que possuem a função de catalisar a hidrólise de triacilgliceróis aos ácidos graxos correspondentes e glicerol, Assim os triglicerídeos ingeridos permanecem não digeridos e não são absorvidos pelo intestino delgado, sendo eliminados nas fezes. Está presente em diversos organismos, incluindo animais, plantas, fungos e bactérias. Através de sua inibição, se reduz os níveis de lipídeos, o que possibilita melhores condições no tratamento de casos de doenças crônicas como a obesidade e hiperlipidemia, sendo assim de grande interesse para o tratamento em casos que apresentem alto teor de gordura na circulação. Tem sido constatado que muitas substâncias extraídas de plantas reduzem o nível de carboidratos, lipídeos e glicose no sangue, consideradas produtos terapêuticos, popularmente utilizados para controle da hiperglicemia e obesidade. Este trabalho objetiva o estudo do potencial inibitório de aproximadamente 30 extratos de plantas coletados na Amazonia sobre α-amilase, α-glucosidase e lípase. Também avaliará nestes extratos o potencial antioxidante e o teor de fenóis totais e taninos totais. Os ensaios de inibição serão realizados por meios de teste in vitro, utilizando enzimas e substratos comerciais, onde a reação é detectada colorimetricamente e o ensaio realizado em microplaca de 96 poços. Os resultados dos extratos serão comparados com os de inibidores-padrão para cada enzima. A realização do projeto poderá identificar futuros biativos a serem explorados no desenvolvimento de novos fitoterápicos oriundos da biodiversidade amazônica.pt_BR
dc.description.sponsorshipCNPQpt_BR
dc.formatPDF-
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Amazonaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Ciências Farmacêuticaspt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Ciências da Saúdept_BR
dc.publisher.programPROGRAMA PIBIC 2011pt_BR
dc.publisher.initialsUFAMpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectLípasepor
dc.subjectAmilasespor
dc.subjectα-glucosidasespor
dc.subjectAmazôniapor
dc.subjectPlantaspor
dc.subject.cnpqCIÊNCIAS DA SAÚDE: FARMÁCIApt_BR
dc.titlePotencial antioxidante e inibição de enzimas digestivas de extratos de plantas da Amazôniapt_BR
dc.typeRelatório de Pesquisapt_BR
dc.pibic.cursoFarmáciapt_BR
dc.pibic.nrprojetoPIB-S/0030/2011-
dc.pibic.projetoPotencial antioxidante e inibição de enzimas digestivas de extratos de plantas da Amazônia-
dc.pibic.dtinicio2011-08-01-
dc.pibic.dtfim2012-07-31-
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcela da Costa Barbosa.pdf798,65 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.