Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2930
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Influência do tratamento cinesioterapêutico associado à realidade virtual no equilíbrio de idosos com fratura transtrocantérica do fêmur
metadata.dc.creator: Lucila Midori Tsuzuki
metadata.dc.contributor.advisor1: Aline Arcanjo Gomes
metadata.dc.description.resumo: O envelhecimento pode ser conceituado como a incapacidade de manter o equilíbrio homeostático sob condições de descarga funcional, que terminam a levar o idoso à morte. O comprometimento da habilidade do sistema nervoso central em realizar o processamento dos sinais vestibulares, visuais e proprioceptivos acarretam déficits no equilíbrio corporal e na locomoção, o que contribui com o grande número de quedas entre idosos. A reabilitação destes indivíduos ainda é um desafio entre os terapeutas, já que os protocolos existentes são repetitivos e monótonos, o que desmotiva a população idosa que acaba por abandonar a reabilitação. A realidade virtual interativa pode ser um novo artifício para motivar os idosos, pois possui várias atividades e cenários, e a facilidade de manipular a intensidade do exercício e os feedbacks visuais e auditivos nas diversas situações impostas, permite ao terapeuta uma intervenção individualizada e mais eficaz. Portanto, o presente estudo propõe avaliar o efeito de uma intervenção fisioterapêutica utilizando a realidade virtual, focada no treino de força e resistência muscular de membros inferiores de idosos que sofreram episódio de fraturas transtrocantéricas. Além disso, avaliaremos a influência do tratamento fisioterapêutico precoce no risco de recorrência de quedas em idosos. Os grupos do estudo serão formados por 60 voluntários idosos, vítimas de fraturas transtrocantéricas de quadril, de ambos os sexos, divididos em três grupos: grupo controle (GC), grupo intervenção cinesioterapia (GIC) e grupo intervenção realidade virtual (GIRV). O protocolo experimental será constituído de duas etapas: (1) avaliação inicial e atendimento intra-hospitalar, onde será realizada coleta de dados do paciente e admissão no projeto, bem como orientações domiciliares visando manutenção de força muscular e ADM, orientações a respeito da descarga de peso e auxilio com eventuais órteses; (2) reavaliação e atendimento ambulatorial; (a) Para pacientes do GIC será aplicado um protocolo de cinesioterapia convencional a fim de ganhar força muscular, melhorar o equilíbrio e prevenir futuras quedas. (b) Para GIRV , serão mantidos os objetivos anteriores, porém os exercícios serão executados sobre o Balance Board, que é um dispositivo que permite interação dos movimentos entre paciente e computador, obedecendo aos comandos dos jogos. Nossa hipótese é a de que se deve observar nos idosos que utilizarão a realidade virtual, um maior comprometimento com a terapia, ganhos proprioceptivos e de força muscular significativamente maiores em relação ao grupo de intervenção cinesioterapia convencional.
Keywords: Jogos de vídeo
Idosos
Fratura
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências da Saúde: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Ginástica, Dança e Ativ. Lúdicas
Faculdade de Educação Física
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2011
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2930
Issue Date: 31-Jul-2012
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.