Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3155
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Margarida Carmo de Souza-
dc.creatorFrancisvana Souza de Azevedo-
dc.date.accessioned2016-09-23T15:25:34Z-
dc.date.available2016-09-23T15:25:34Z-
dc.date.issued2013-07-31-
dc.identifier.urihttp://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3155-
dc.description.resumoA busca por bebidas destiladas de melhor qualidade e confiança ao consumidor é crescente. Uma das bebidas destiladas que tem maior consumo é a Cachaça, denominação típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no Brasil, com graduação alcoólica de 38 a 48%(v/v) a 20°C. Esta é obtida pela destilação do mosto fermentado de cana-de-açúcar com características peculiares, podendo ser adicionada de açúcares até 6g/L expressos em sacarose. O aperfeiçoamento tecnológico e controle de qualidade do processo de produção só são possíveis mediante o conhecimento da composição química e da qualidade sensorial da bebida. No decorrer do processo de fabricação da bebida alcoólica são originados diversos compostos secundários, dentre eles aldeídos, álcoois, estéres e ácidos. Dentre estes, a acidez da cachaça, que é dada em miligramas de ácido acético por cem mililitros de álcool anídrico, pode variar dentro de uma ampla faixa, dependendo do controle do processo de fermentação, relacionado a diversos fatores, como: pureza da fermentação, tempo e temperatura. O ácido acético chega a compor 70% de todos os ácidos presentes na bebida, é produzido pela levedura durante a fermentação alcoólica como também por bactérias provenientes de contaminação. O valor máximo permitido de acidez volátil é de 150 mg de ácido acético/ 100ml de álcool anídrico. Valores acima do permitido pode indicar a contaminação da cana ou do próprio mosto por bactérias acéticas. Portanto, a análise da qualidade da cachaça para verificar se a legislação está sendo obedecida é de suma importância e reforça a necessidade de maior investimento nas pesquisas de análises de bebidas registradas ou não. Tendo em vista que a acidez é um dos fatores para que o perfil sensorial das cachaças seja de qualidade, este projeto visa determinar a acidez em cachaças de diferentes marcas, obtidas em estabelecimentos comerciais de Itacoatiara, utilizando uma metodologia baseada em imagens digitais obtidas por webcam. Para validar os resultados obtidos pela metodologia proposta, a acidez também será determinada por um método de referência, titulometria volumétrica de neutralização.pt_BR
dc.description.sponsorshipCNPQpt_BR
dc.formatPDF-
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Amazonaspt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiarapt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA PIBIC 2012pt_BR
dc.publisher.initialsUFAMpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAcidez-
dc.subjectCachaça-
dc.subjectWebcam-
dc.subject.cnpqCIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA: QUÍMICA ANALÍTICApt_BR
dc.titleDeterminação da acidez de cachaças utilizando imagens digitais obtida por webcampt_BR
dc.typeRelatório de Pesquisapt_BR
dc.pibic.cursoCiências Farmacêuticaspt_BR
dc.pibic.nrprojetoPIB-E/0104/2012-
dc.pibic.projetoDeterminação da acidez de cachaças utilizando imagens digitais obtida por webcam-
dc.pibic.dtinicio2012-08-01-
dc.pibic.dtfim2013-07-31-
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
File SizeFormat 
PIB-E-0104-2012-VANA_SUBMISSÃO2.pdf379,17 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.