Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3503
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Prospecção Fitoquímica e Atividade Antioxidante de cascas do caule de Bertholletia excelsa Bompl.
metadata.dc.creator: Elisângela Serrão Gonçalves
metadata.dc.contributor.advisor1: Anderson Cavalcante Guimarães
metadata.dc.description.resumo: Compostos fenólicos como flavonóides são amplamente distribuídos no reino vegetal. São reconhecidos por apresentarem diversas atividades biológicas tais como, antioxidantes, inibidores enzimáticos, antivirais, tanto para as plantas que o produzem, como para os mamíferos que os consomem. A atividade antioxidante é relatada como um mecanismo de proteção natural dos vegetais nos processos de oxidação. Em humanos, o consumo de substâncias antioxidantes tem sido relacionado com a inibição do câncer, dos processos inflamatórios e proteção do sistema imunológico. Isoflavonas de soja, ácido ascórbico e beta-caroteno são exemplos de produtos gerados a partir de substâncias antioxidantes. A espécie Bertholletia excelsa Bompl. é uma arvore de grande porte (30 a 50 metros de altura), com folhas coriáceas, tronco retilíneo e cilíndrico (100 a 180 centímetros de diâmetro) revestido por casca sulcada de cor acinzentada-escura, é considerada uma das arvores mais altas da flora brasileira. É popularmente conhecida como castanha do Pará ou castanha do Brasil e pertence à família Lecythidaceae. Atualmente, a B. excelsa apresenta poucos estudos sobre aspectos fitoquímicos e a presença de flavonóides em espécies de Lecythidaceae poderia contribuir substancialmente para a descoberta de novas substâncias com possibilidades terapêuticas e aplicações tecnológicas como fármacos e nutracêuticos. O objetivo desse projeto é avaliar a presença de flavonoides presentes nas cascas do tronco de B. excelsa. O material vegetal será coletado nas proximidades do município de Itacoatiara. As cascas do tronco de B. excelsa depois de secas e trituradas serão extraídas com etanol 70% sob refluxo. Os ensaios de atividade antioxidantes e de fenóis totais serão feitos segundo a metodologia do DPPH conforme descrito por MENSOR e segundo o método de Folin-Ciocalteau, respectivamente. A caracterização de constituintes fenólicos será analisada através de ensaios cromáticos como reação de Shinoda (ácido clorídrico e magnésio), solução de cloreto férrico; e em placas cromatográficas de gel sílica. Direcionando para avaliar a presença de flavonoides, serão utilizados reveladores como: solução de Difenilborato 1% (solução NP), cloreto férrico e vanilina.
Abstract: 
Keywords: Lecythidaceae, castanha-do-Brasil
fenólicos
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências da Saúde: Farmacognosia
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiara
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2012
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3503
Issue Date: 31-Jul-2013
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.