Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1441
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Transesterificação de óleo de inajá utilizando catalisador heterogêneo ácido
metadata.dc.creator: Cristiane Mota dos Santos
metadata.dc.contributor.advisor1: Ivoneide de Carvalho Lopes Barros
Resumo: O uso de óleos vegetais como substituto do óleo diesel tem despertado grande interesse nos setores produtivo e acadêmico-científico, sendo o processo de transesterificação a rota tecnológica predominante para a produção do biodiesel derivado de óleo vegetal. Na transesterificação, a presença de um catalisador acelera a conversão do óleo vegetal em biodiesel e ainda contribui aumentando o seu rendimento, sendo que esta reação pode ser conduzida tanto com catalisador homogêneo quanto heterogêneo, sendo eles ácidos ou básicos. O emprego de catalisadores heterogênenos minimiza os custos de separação e purificação, trazendo maior atratividade a esse processo. Em princípio, o uso de um catalisador contendo Nb2O5 suportado em cinza de casca de arroz cristalina pode ser uma solução para a disposição final de resíduos, como a casca (CA) e a cinza da casca do arroz (CCA) que a indústria de arroz enfrenta. Do mesmo modo, a importância do Nb2O5 em catálise decorre de sua alta atividade e tolerância à água, sendo utilizado como catalisador sólido, promotor, suporte, catalisador ácido e material redox. A espécie oleaginosa Inajá Maximiliana maripa (Aublet) Drude, também conhecida como anajá, têm se destacado pelo seu valor econômico, ecológico, ornamental e alimentar, sendo cultivada desde o norte da América do Sul até o Brasil Central. Suas amêndoas fornecem até 60% de óleo semelhante ao de babaçu, tanto na qualidade quanto na utilização. Contudo o potencial do Inajá continua inexplorado, sendo possível o aproveitamento econômico para produção de biodiesel. Estudos recentes com o óleo de inajá extraído do fruto de palmeiras da Amazônia Ocidental, desenvolvidos pelo LAPEC (Grupo de Pesquisa do Laboratório de Pesquisa e Ensaios de Combustíveis - UFAM) apontam um índice de acidez do óleo vegetal in natura com elevada concentração de ácidos graxos livres. Por outro lado, os testes preliminares para a obtenção de biodiesel de Inajá realizados através da rota de transesterificação metílica e etílica, aplicando como catalisador o ácido sulfúrico, revelaram que a catalise ácida foi mais efetiva para a produção de biodiesel etanólico, colaborando, do mesmo modo, com os resultados de alto indice de acidez desse óleo. Nesse sentido, a reação de transesterificação utilizando catalisador homogêneo básico torna-se inviável, sendo necessário o uso de catalisadores heterogêneos ácidos que promovam simultaneamente reações de alcóolise de triglicerídeos e de esterificação dos ácidos graxos livres. Dessa forma, o presente trabalho propõe o uso de um catalisador heterogêneo à base de sílica amorfa, presente na cinza de casca de arroz, para promover a conversão do óleo vegetal de inajá em biodiesel via reação de transesterificação.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: transesterificação, catálise hetrogênea, Inajá
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica Inorganica
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Química
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: Programa PIBIC 2008
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1441
Data do documento: 31-jul-2009
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.