Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2137
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: INVESTIGAÇÃO QUÍMICA E FARMACOLÓGICA DE ESPÉCIES VEGETAIS DA AMAZÔNIA CONTRA A LEISHMANIA
metadata.dc.creator: Fernanda Sousa Ferreira
metadata.dc.contributor.advisor1: Jefferson Rocha de Andrade Silva
Resumo: A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 80% da população do mundo, de algum modo, utilizam plantas medicinais como medicamentos. A utilização de plantas medicinais no tratamento de doenças é denominada fitoterapia, havendo atualmente 150 delas reconhecidas pela OMS, como de real valor terapêutico, sendo a eficiência do uso assegurada por milênios de tradição, devido à prática comum entre os índios e as populações tradicionais da Amazônia. A floresta Amazônica brasileira, com mais de 30 mil espécies vegetais, compreende cerca de 26% das florestas tropicais remanescentes no planeta, entretanto estima-se que poucas espécies tenham sido objeto de alguma pesquisa científica, relacionada à obtenção de novas drogas ou isolamento e elucidação estrutural, sendo que poucas plantas foram avaliadas do ponto de vista de segurança, qualidade e eficácia. Nesse contexto, verifica-se que a indústria farmacêutica em outros países vem colhendo diversos exemplos de sucesso na pesquisa com produtos naturais como fonte de novas drogas, representando no período de 1981 a 2002, 5% das 1031 novas substâncias químicas aprovadas como drogas pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão que regulamenta o mercado farmacêutico nos Estados Unidos da América. Os produtos naturais e seus derivados representam mais de 50% de todas as drogas em uso clínico no mundo. As plantas superiores contribuem menos de 25% do total. Das 119 substâncias químicas puras extraídas das plantas superiores usadas na medicina através do mundo, 74% delas têm o uso igual ou relacionado às plantas medicinais das quais foram isoladas. A Leishmaniose, doença cujo tratamento é altamente agressivo, carece de novos medicamentos, sendo encontrados vários casos de norte a sudeste do país. Os períodos de chuvas intensas na região norte favorecem o surgimento conduzindo a endemias dessas doenças. Parasitas do gênero Leishmania estão adquirindo resistência aos agentes antileishmania existentes, portanto, a descoberta de novas substâncias químicas ativas contra esses parasitas, torna-se premente e caracterizada como prioridade pela OMS. Paralelamente o paciente portador de leishmania é acometido de infecções como a inflamação da lesão. Processos oxidativos estão associados a essas infecções, sendo de extrema importância o controle geral de todas as etapas do desenvolvimento da doença. Nesse cenário as plantas medicinais, na forma de preparados, frações e substâncias puras, constituem uma rica fonte de novos ativos, principalmente, quando associadas a ensaios relativos às infecções causadas pelo parasita, inflamação da lesão e os processos oxidativos associados ao desenvolvimento da doença. Espécies vegetais do gênero Piper e Endlicheria vêm sendo utilizadas popularmente como alternativa aos medicamentos contra a Leishmania e serão avaliadas nesse trabalho.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Produtos naturais
Leishmania
Cromatografia
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica dos Produtos Naturais
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Química
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2010
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2137
Data do documento: 1-jul-2011
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.