Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3149
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Estudo da estabilidade de emulsões
metadata.dc.creator: Elizandra Passos da Silva
metadata.dc.contributor.advisor1: Margarida Carmo de Souza
Resumo: Emulsões são sistemas heterogêneos, termodinamicamente instáveis, formados pela associação de substâncias lipofílicas com hidrofílicas através dos agentes de tensão superficial, onde uma das fases fica descontinuada e dispersa em gotículas, envolvidas pelos agentes tensoativos emulsificantes, responsáveis pela estabilidade física e a manutenção da dispersão entre essas fases. As emulsões são denominadas O/A (óleo em água), quando há predominância da fase aquosa, e A/O (água em óleo) quando predomina a fase oleosa. Elas são muito utilizadas como bases de produtos cosméticos e apresentam boa aceitação pelo consumidor, pois não são gordurosas, são de fácil aplicação e apresentam fácil espalhamento. No desenvolvimento de uma emulsão cosmética além do aspecto estético da formulação, o delineamento das propriedades físicas e da estabilidade é fundamental. Diferentes fatores intrínsecos e extrínsecos podem desencadear processos de instabilidade: formulação, tipo do tensoativo, tamanho dos glóbulos, viscosidade, volume de fases, valor de pH, e velocidade de agitação. O estudo da estabilidade fornece indicações sobre o comportamento do produto, em determinado intervalo de tempo, frente a condições ambientais a que possa ser submetido, desde a fabricação até o término da validade. A emulsão estável é aquela que conserva as devidas proporções entre seus constituintes e mantêm a superfície interfásica, mesmo após estar exposta a tensões decorrentes de fatores como temperatura, agitação e aceleração da gravidade. O estudo da estabilidade é feito em duas etapas preliminar e acelerada. Os ensaios preliminares constituem teste de centrifugação, estresse térmico, ciclo gela-degela e avaliação visual, que têm a finalidade de verificar a estabilidade física do produto e a triagem das formulações estáveis. O estudo de estabilidade acelerada é fundamentado em técnicas que aceleram a instabilidade. As amostras aprovadas nos ensaios preliminares serão submetidas aos ensaios acelerados. As amostras, em triplicata, serão armazenadas em estufa e geladeira, em temperaturas de 45 ± 2 ºC e 5 ± 2 ºC, respectivamente, durante 0, 30, 60, 90 e no máximo 120 dias, e após a avaliação do aspecto, odor e coloração, aquelas isentas de sinais de instabilidade serão analisadas quanto ao pH e a viscosidade. Neste contexto, a presente proposta visa produzir emulsões e determinar a sua estabilidade utilizando as metodologias estabelecidas pela ANVISA. Este estudo contribue para orientar o desenvolvimento da formulação, material de acondicionamento adequado, fornecer subsídios para o aperfeiçoamento das formulações, estimar o prazo de validade, auxiliar no monitoramento da estabilidade organoléptica e físico-química, produzindo informações sobre a confiabilidade e segurança dos produtos desenvolvidos.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: emulsão
estabilidade
cosméticos
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica Analitica
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia - Itacoatiara
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2012
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/3149
Data do documento: 31-jul-2013
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.