Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4237
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: A memória da escravidão em A mais remota lembrança (1994), de Fred D Aguiar
metadata.dc.creator: Rodrigo Anderson Machado Cavalcante
metadata.dc.contributor.advisor1: José Amarino Maciel de Brito
metadata.dc.description.resumo: O pós-colonial é uma estética que visa à análise de diversos campos sociais afetados pela ocorrência das colonizações no mundo todo. Neste sentido, quando nos referimos ao Pós-colonial como corrente teórica, podemos versar sobre aspectos variados, pois os efeitos das empreitadas coloniais são evidenciados de forma muito abrangente. Os efeitos coloniais se evidenciam na cultura, na arte, na configuração social, na educação, etc. Quando focamos os estudos pós-coloniais e seus efeitos na literatura, buscamos verificar o modo como a literatura produzida em contextos coloniais ou pós-coloniais enfocam, representam, denunciam, criticam a hegemonia europeia imposta sobre suas colônias ao longo do mundo. Analisando a literatura produzida com o intuito de evidenciar as relações coloniais e pós-coloniais, é preciso, também, entender que a literatura, como já entendera Gramsci (1985), é produto de processos históricos. A história deixa marcas na literaturaNeste sentido, um dos aspectos analisados pela teoria literária pós-colonial é como a história dos sujeitos coloniais é reconstruída a partir do olhar binário ou unilateral de quem a conta. Para entender isso no contexto pós-colonial, utilizamo-nos do que afirma Halbwachs (2006, p. 29): Recorremos a testemunhos para reforçar ou enfraquecer e também para completar o que sabemos de um evento sobre o qual já temos alguma informação, embora muitas circunstâncias a ele relativas permaneçam obscuras para nós . Destacamos nesta pesquisa a utilização da memória da colonização como meio de evocar o passado, a própria colonização, escravidão e seus efeitos. Com base nos pressupostos da teoria pós-colonial, os efeitos da colonização nos povos colonizados, a escravidão e a sua memória é que se busca verificar, em específico no romance A mais remota lembrança (1994), de Fred D Aguiar, o processo de recuperação da memória de fatos marcantes nos personagens que presenciaram e/ou viveram a escravidão nos Estados Unidos no século XVIII, ficcionalmente retratados. O romance permite a observação das condições as quais eram relegados os escravos da fazenda Whithechapel , como eram inferiorizados, animalizados e considerados como seres inferiores e sem alma, bem como o modo como escravos e senhores recriam em suas memórias a história do episódio da morte do escravo Chapel, com 200 chibatadas e todo o histórico precedente a este evento, desde o casamento de seu pai com a cozinheira (violentada pelo feitor), seu nascimento, seu envolvimento com a menina branca Lydia, filha do patrão, a submissão de seu pai, o modo como a impressa jornalística tratou o fato, etc. Nesta obra, é possível perceber como a memória da escravidão é vista de forma diametralmente oposta por colonizadores e colonizados.
Abstract: 
Keywords: Memória
Pós-colonialismo
Fred D'Aguiar
metadata.dc.subject.cnpq: Lingüística, Letras e Artes: Literaturas Estrangeiras Modernas
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Instituto de Agricultura e Ambiente - Humaitá
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2013
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4237
Issue Date: 31-Jul-2014
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.