Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4786
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Ozônio na atmosfera da região metropolitana de Manaus e sua relação com a saúde da população
Autor(a): Julie Maxwell de Andrade Borges
Orientador(a): Cristine de Mello Dias Machado
Resumo: Dentre os poluentes atmosféricos de maior interesse e repercussão no meio científico está o ozônio troposférico, que em concentrações elevadas pode causar tosse, dificuldade na respiração e irritação das veias respiratórias. Há estudos publicados na literatura que relacionam doenças cardiovasculares, respiratórias e morbidade com exposição ao ozônio. Crianças, idosos e portadores de doenças crônicas constituem os grupos mais suscetíveis a esses efeitos. O limite estabelecido pelas agências reguladoras é excedido geralmente em grandes centros urbanos e em condições meteorológicas favoráveis como falta de chuva, baixa velocidade do vento e elevada radiação solar. Essas normas são utilizadas em diversos estados brasileiros como um indicativo da poluição do ar e dos possíveis problemas sobre a saúde da população. Contudo, embora sejam importantes, os dados descritos na literatura sobre a poluição do ar de Manaus são escassos e pouco contribuem para estudos epidemiológicos relativos a problemas respiratórios. Assim, este trabalho propõe obter os níveis de O3 atmosférico e relacioná-los com a saúde da população local. Considerando que o O3 é um poluente secundário, espera-se que suas concentrações sejam mais elevadas em regiões distantes da fonte de emissão de seus precursores, pois o processo de formação do O3 ocorre durante o transporte atmosférico. Neste projeto serão estudadas a cidade de Manaus e de Manacapuru, que recebe os ventos que passam pela capital, cujas informações sobre da saúde da população serão correlacionados com os níveis de O3 buscando avaliar os efeitos desse poluente sobre o sistema respiratório. A identificação do padrão de ocorrência de doenças respiratórias nessas populações e dos fatores ambientais que influenciam auxiliará na formulação de uma hipótese epidemiológica para o tema em questão. Como ponto de referência será utilizada a Reserva Florestal Adolpho Ducke. As concentrações de O3 no ar serão obtidas por método indireto por coleta do gás, seguida de determinação espectrofotométrica. A coleta será feita por amostragem passiva durante 8 horas, utilizando um papel de filtro de celulose impregnado com o reagente índigo azul. Serão utilizados três amostradores e um branco de campo em cada local de coleta. Após a coleta, os extratos aquosos dos filtros serão analisados por espectrofotometria em 600 nm. A reação entre o ozônio presente no ar e molécula do corante quebra a dupla ligação de carbonos, ocasionando o descoramento do corante. A concentração de ozônio é determinada pelo grau de descoloração do reagente. Neste projeto os dados de internações hospitalares serão obtidos do hospital público mais próximo do ponto de coleta, e do hospital de Manacapuru, além da base de dados do Ministério da Saúde e por meio de questionários aplicados à população. Os dados meteorológicos serão obtidos a partir de estações meteorológicas instaladas próximo aos locais de coleta e na direção predominante dos ventos entre os pontos de coleta.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: atmosfera, ozônio, saúde humana
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Exatas e da Terra: Quimica da Atmosfera
Idioma: pt_BR
País de publicação: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
Sigla da Instituição: UFAM
Faculdade, Instituto ou Departamento: Química
Instituto de Ciências Exatas
Nome do programa: PROGRAMA PIBIC 2014
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4786
Data do documento: 31-jul-2015
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.