Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1834
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: Produção e Comercialização da Pesca Embarcada em Manaus
metadata.dc.creator: Fabiana Torma de Almeida
metadata.dc.contributor.advisor1: Manuel de Jesus Masulo da Cruz
Resumo: No final da década de 1940 e início da década de 1950, começaram a surgir, na Amazônia, os primeiros barcos de pesca, movidos a diesel e com caixas de gelo acoplado na parte central dessas embarcações. As inovações tecnológicas na pesca, sobretudo no transporte e armazenamento a bordo, na região, inaugurou o período de comercialização intensiva do pescado. Assim, com o advento dos barcos motorizados para a atividade pesqueira, em substituição ao modelo anterior, denominada de polveras e das inovações que os acompanharam, houve mudanças significativas ao nível de produção e circulação no setor pesqueiro regional. A introdução do motor permitiu aos barcos, um deslocamento mais rápido e um maior tempo de permanência nas viagens. Além disso, as inovações tecnológicas possibilitaram a utilização de embarcações maiores, tornando possível um aumento na capacidade de captura, permitindo, assim, certa regularidade no desembarque de pescado para os principais centros urbanos da região. Os avanços tecnológicos na pesca ocorrem simultaneamente com o crescimento da população urbana das cidades na Amazônia e, por conseguinte, do aumento da demanda por peixe. A cidade de Manaus, por exemplo, teve um crescimento populacional sem precedente, passou de 175.000, em 1960, para 1.403,796 no ano de 2001, tornando, portanto, o maior pólo consumidor do pescado na Amazônia Ocidental. Para atender a esse aumento da demanda urbana por peixes ocorre concomitante uma expansão da frota pesqueira embarcada e motorizada, tendo como apoio para as viagens os principais centros urbanos na região. Em Manaus, o aumento da frota pesqueira, nas últimas décadas, foi significativo, passou de 135 barcos em 1978, para 1.200 em 1991. No porto de desembarque, em Manaus, desenvolveu-se uma rede de intermediação, na qual o despachante aparece como figura mais importante, uma vez que exerce todo controle sobre a produção e o consumo. A partir desta perspectiva surge o interesse deste estudo, a fim de entender todo este processo que rodeia a intermediação/consumo da pesca embarcada, tendo como lócus de estudo a balsa terminal da Panair na cidade de Manaus-Am.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: Pesca
Abastecimento
intermedição/consumo
Área de conhecimento - CNPQ: Ciências Humanas: Geografia Agraria
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Geografia
Instituto de Ciências Humanas e Letras
metadata.dc.publisher.program: Programa PIBIC 2009
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/1834
Data do documento: 29-jul-2010
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.