Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2083
Tipo de documento: Relatório de Pesquisa
Título: AVALIAÇÃO GEOLÓGICA DE SUBSUPERFÍCIE DOS DEPÓSITOS SEDIMENTARES CRETÁCEOS E NEÓGENOS DOS MUNICÍPIOS DE IRANDUBA, MANACAPURU E NOVO AIRÃO, AMAZÔNIA CENTRAL
metadata.dc.creator: Enéas Bonora dos Santos
metadata.dc.contributor.advisor1: Emilio Alberto Amaral Soares
Resumo: A Bacia do Amazonas apresenta uma área estimada de cerca de 500.000 km2, com preenchimento sedimentar e ígneo em torno de 5000 m, subdividido nas sequências paleozóica e mesozóico-cenozóica (Cunha et al, 2007). Nesta última sequencia, a unidade cretácea é representada pela Formação Alter do Chão que compõe grande parte do relevo da Bacia do Amazonas. Este relevo é composto por morros e colinas, com altitudes entre 103 a 32 metros, formando superfícies dissecadas, com vales abertos e íngremes (Soares et al., 2001). Entretanto, estudos recentes identificaram depósito arenosos fluviais, de idade neógena, sobrepostos ao embasamento cretáceo (Rozo, 2004; Dino et al., 2006; Soares, 2007; Abinader, 2008). Informalmente, esses depósitos foram denominados de Formação Novo Remanso (Rozo, 2004), sendo individualizado no topo e na base por superfícies de descontinuidades. Estudos sedimentológicos e estratigráficos de detalhe, fundamentais na caracterização das unidades cretácea e néogenas aflorantes nesta região, tem sido dificultados pela falta de estradas, além da cobertura de vegetação e solo. Estudos geofísicos (perfis sônicos e seções sísmicas) realizados por Costa (2002) ao sul da cidade de Manaus, permitiram a individualização de duas sequências pós-paleozóicas, definidas com base na diferença de velocidades intervalares. A superior, de menor velocidade intervalar foi correlacionada a Formação Solimões e, a inferior, com maior velocidade intervalar, foi associada à Formação Alter do Chão. Entretanto, nos trabalhos de Andrade & Soares (2009) e Andrade (2010) os limites e espessuras das unidades cretácea e neógena foram definidos com base em 14 perfís geofísicos de poços tubulares na região entre Manaus e Itacoatiara. Portanto, dando continuidade aos trabalho anteriores, este Projeto de Iniciação Científica (PIBIC) propõe a análise sedimentológica e estratigráfica de 6 poços tubulares perfurados nos municípios de Iranduba, Manacapuru , e Novo Airao, visando a identificação e delimitação destas unidades em subsuperfície, por meio de descrição de perfilagens geofísicas (Raios Gama, Resistividade e Potencial Espontâneo) e dados de amostras de calha.
Resumo em outro idioma: 
Palavras-chave: cretáceo-neógeno
perfilagem geofísica
Bacia do Amazonas
Área de conhecimento - CNPQ: Engenharias: Sedimentologia
Idioma: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Editor: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Geociências
Instituto de Ciências Exatas
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2010
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/2083
Data do documento: 1-jul-2011
Aparece nas coleções:Relatórios finais de Iniciação Científica

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.