Please use this identifier to cite or link to this item: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4632
metadata.dc.type: Relatório de Pesquisa
Title: Regulação gênica das defesas antioxidantes in vitro, mediadas pelo extrato das cascas do caule de Bertholletia excelsa, em fibroblastos submetido a condições de estresse oxidativo
metadata.dc.creator: Érico Jorge Silva Freitas
metadata.dc.contributor.advisor1: Emerson Silva Lima
metadata.dc.description.resumo: O estresse oxidativo é causado pelo excesso de radicais livres, que acabam promovendo dano celular e tecidual. Os radicais livres são produtos do metabolismo celular, entretanto podem ter sua formação intensificada por meio de estímulos exógenos (radiação, toxinas, drogas, produtos químicos, poluentes ambientais), constantemente presente em diversas patologias. A ativação de diversas enzimas na resposta de defesa à agressão oxidativa faz com que a célula intensifique a expressão gênica dessas proteínas, como a superoxido dismutase (SOD), Catalase (CAT) e peroxidades (GPx) e glutationa redutase (GSH-red), entre outras. Outra maneira de intensificar uma resposta defensiva, porém não enzimática, é por meio de substancias com propriedades antioxidantes, para evitar a formação desses radicais livres. São elas vitaminas (A e E, pró-beta-carotenos) e outros compostos, como os compostos fenólicos. Os compostos fenólicos tem a capacidade de captar radicais livres, diminuindo a sua disponibilidade e consequentemente reduzir o dano celular/tecidual. Estudos previamente realizados revelaram que o extrato da casca do caule de Bertholletia excelsa apresentou uma quantidade relevante de compostos fenólicos. Este trabalho tem como objetivo verificar a regulação gênica das defesas antioxidantes in vitro em fibroblastos sob estresse oxidativo, avaliando os genes evidenciados tanto em células sob estresse, quanto em células expostas ao extrato de Bertholletia excelsa para verificar os genes evidenciados em resposta ao tratamento. As culturas de células serão expostas a um agente oxidante, como o peróxido de hidrogênio (H2O2), o que induzirá a célula a responder contra o estresse oxidativo, portanto promovendo a maior expressão gênica dessas proteínas de defesa. Neste caso avalia-se-á qual a resposta que a célula apresentará sob estresse e qual o efeito do tratamento da célula com o extrato de Bertholletia excelsa sobre esta resposta. Após o tratamanto das células será conduzida a extração do RNA dessas células e utilização da técnica de PCR (Polymerase Chain Reaction),para analises dos genes NRf2, GPx e SOD. Espera-se identificar de que forma o extrato regula a resposta antioxidante nesta célula, o que servira como base para estudos futuros nesta área.
Abstract: 
Keywords: estresse oxidativo, fenólicos, PCR, Bertholletia excelsa
metadata.dc.subject.cnpq: Ciências da Saúde: Farmacia
metadata.dc.language: pt_BR
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Amazonas
metadata.dc.publisher.initials: UFAM
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Ciências Farmacêuticas
Faculdade de Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: PROGRAMA PIBIC 2014
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4632
Issue Date: 31-Jul-2015
Appears in Collections:Relatórios finais de Iniciação Científica

Files in This Item:
There are no files associated with this item.


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.